Núcleo SAFAS: Resumo

Núcleo de Sistemas AgroFlorestais Agroecológicos do Sul (SAFAS)

Projeto MDA/CNPq Nº 39/2014           English

Resumo:

Diversas experiências ricas sobre Sistemas Agroflorestais Agroecológicos no Sul do Brasil (SAFAS) tem sido aprimoradas continuamente durante as últimas décadas.  Isso oferece uma excelente oportunidade e prioridade pertinente para sistematização ampla e integração dos resultados já obtidos.  Nesse sentido o presente projeto vai ampliar e aprofundar os esforços de integração de experiências já iniciados pelo GT de Sistemas Agroflorestais da Rede Ecovida de Agroecologia.

Nesse contexto o presente projeto objetiva formar um Núcleo temático descentralizado sobre SAFAS, desenvolvendo estruturas e processos participativos de comunicação e compartilhamento de conhecimentos, que sejam úteis para a integração de atividades de extensão, pesquisa e ensino durante e além da duração do presente projeto.  Utilizando e testando essas estruturas e estes processos participativos, objetiva-se analisar como as pré-condições (p.ex. presença e natureza de políticas públicas relevantes, recursos externos e internos financeiros e humanos, infraestrutura, tecnologias, etc) influenciam indicadores de multifuncionalidade e resiliência geradas pelos SAFAS.  Com uma abordagem semelhante será avaliado como as mesmas pré-condições afetam a severidade de gargalos que impedem ou atrasam a adoção ou o beneficiamento de SAFAS, especialmente em relação às cadeias produtivas e circuitos curtos de comercialização de produtos agroflorestais orgânicos.  A meta de longo prazo é crescer o presente Núcleo para gradualmente formar uma sub-rede temática sobre SAFAS dentro da Rede Sul de Núcleos de Estudo de Agroecologia e Sistemas de Produção Orgânicos (ReSNEA) iniciada pela Chamada MCTI/MAPA/MDA/MEC/MPA/CNPq 81/2013.

Com essa perspectiva o projeto vai sintetizar os resultados (tanto experiências práticas, como também dados empíricos/teóricos) já obtidos em diversas microrregiões no Sul do Brasil sobre o desenvolvimento de SAFAS.  A nossa abordagem é desenhada para permitir análises que contribuam para embasar a formulação, implementação e acompanhamento de políticas públicas e ações na base comunitária voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico, agrícola, e a conservação da natureza.  A equipe interdisciplinar busca avançar reciprocamente o entendimento teórico inovador (componente de pesquisa científica) e o aprimoramento adaptativo de processos produtivos e de conservação práticos (práxis agroflorestal agroecológica), especialmente aqueles fundamentais para a soberania alimentar e nutricional, geração de renda e erradicação da pobreza.

As ações serão desenvolvidas em duas fases de integração dos resultados:

  1. Entre as diferentes entidades de agricultores, ATER, ensino tecnológico e superior dentro de cada microrregião com experiências com SAFAS bem desenvolvidas (Fase 1); e
  2. Entre as diferentes microrregiões com participação equilibrada das mesmas entidades (Fase 2).

Cada fase será centrada num curso de formação de 40h (oficina participativa).  Antes, durante e depois da oficina participativa de cada fase adaptaremos e documentaremos os métodos e processos de Capacitação-Ação-Pesquisa Participativa (CAPP) com o intuito de construir e socializar conhecimentos, baseado no diálogo e integração aplicada entre saberes tradicionais versus conhecimentos inovadores populares versus científicos.

Em ambas fases e todos os tipos de atividades desenvolvidas para alcançar os objetivos supracitados serão incorporados na equipe de trabalho:

  1. Estudantes em diferentes fases de desenvolvimento acadêmico (do ensino médio e tecnológico, e da graduação e pós-graduação), no intuito de capacitar profissionais e técnicos na inovação tecnológica e metodológica e na construção e socialização de conhecimentos de sistemas agroecológicos e orgânicos de produção.
  2. Membros de diferentes gerações das famílias agricultoras com o intuito de fortalecer o resgate e utilização de conhecimentos tradicionais e populares e a valorização do mesmo entre jovens nos processos de formação formal (ensino tecnológico e superior) e informal (aprendizagem entre filhos de agricultores e outros produtores artesanais).

A equipe divulgará os diversos resultados de cunho metodológico, tecnológico e teórico-científico em formatos e meios que efetivamente atendam as prioridades identificadas nos processos de CAPP desenvolvidos durante o projeto, incluindo cartilhas impressas e eletrônicas, gravações (áudio-) visuais, bancos de dados eletrônicos de acesso público e artigos científicos com revisão por pares.  Além disso, espera-se iniciar um processo contínuo de construção coletiva de bancos de dados permanentes de acesso aberto online sobre:

  1. A distribuição geográfica de disponibilidade de germoplasma agroflorestal e de mutirões de capacitação agroflorestal, e
  2. Características ecofisiológicas, de manejo, processamento e comercialização de espécies agroflorestais para o Sul do Brasil;

…com o intuito de catalisar a adoção e beneficiamento de SAFAS que sustentem as comunidades nos seus territórios.